segunda-feira, 16 de abril de 2012

Atento fique .






Boa Semena !!!!!

Atento fique .

A coincidência, é fogo .
Quando menos se espera as coisas aparecem, surgem do nada e como magia fazem luzir outrora negrume .
É por isso que temos que tomar cuidado, Eu aprendi a duras quedas e caras quebradas por arbitrário e imperialista ser .
Agora penso duas ou mais vezes antes de tomar qualquer atitude e não Me arrependo .
Saiba curtir a vida, a sua vida . Não deixe de dar luz e brilho a dos outros mais a sua tem de ser vista antes,  pois mesmo para facultar a alguém a quem ame muito,  tens primeiro que estar bem para ai sim, depois se sacrificar .
Nunca Me pensei como agora estou, aqui e a escrever .
Nunca Me vi dando conselhos, ouvindo a outros e se fundamento tiver em minha reles concepção aderi-la .
Nunca pensei hoje estar velho em idade mais novo em espírito querendo viver e partindo como jovem fui, lutar pelos direitos a nós facultados e imaculados por nossa constituição .
Nunca Me vi acertando minha vida agora na reta final independente de qualquer turbulência corriqueiramente existente e junto de quem vim atrás e quero estar e ser FELIZ .
Nunca pensei, mais hoje só o que tenho a dizer é, pense e não deixe de atenção ter as coisas a que disse .

15.04.12
+- 14:06 h
Plaza Grill

JB 


O uso da verdade com as pessoas ao seu redor não é algo nobre, mas natural, e vai garantir maiores possibilidades que elas sejam verdadeiras com você .

A Casa



A casa onde nunca fui rainha

Está lá a apodrecer.

Havia lá um cão fedorento que

Nem sabia rosnar.



Dele eu até gostava. O seu olhar

me dizia o bem que ele me queria.

O dono desse cão, esse sim  rosnava

Muito.



Defunto vivo, assombração.

A sombra era só uma, fundia-se com

a do cão, uma sombra que crescia.

Cheirava a podridão.



A minha alma se erguia e bem baixinho

Dizia: não deixes de ser quem és.

Fica aí até  seres capaz de caminhar com

os teus pés.



Os dias se passavam e a missão chegava

Ao fim.

Até que chegou o dia em que me vi dona

de mim.



Se acharem que sou ruim.

Se pensarem mal de mim.

O que se passa lá fora.

O que dizem não importa.



O meu mundo trancou a porta.

Para ventilar o lugar abro janelas

E portas que dão para varandas onde

Se fazem cirandas.



E poemas que não destilam fel nem mel.

Falam mais de crenças do que de desavenças.

Roupa suja se lava em casa.

Nem a esse trabalho me dei.



Pus tudo dentro de um saco e ao lixeiro entreguei.

Junto com a roupa iam restos do que fui ali.

Não era eu. Era a sombra do que fingia.

Nem eram restos de mim, eu nunca fui assim.



Lita Moniz.


Beijões e Abrações .

Nenhum comentário:

PAZ .

PAZ .

Horloge numérique / digitale