domingo, 20 de fevereiro de 2011

Sem palavras .





Bom Domingo !!!!!

Tem hora que sem palavras fico, presumo que assim também aconteça com Você;  temos que ter a tão falada e não tão adotada paciência para aguardarmos as mesmas brotarem assim como a inspiração que nos proporcionará a alavanca que nos conduzirá a vitória e conseqüentemente a glória para que dentro de nossa Inocência, humildemente sejamos felizes . Entendam o conflito abaixo, mais enquanto cegos ficarmos por nosso próprio querer ignorando tudo e todos principalmente o que antes de nós aqui estava regido pela Mãe Natureza proporcionando equilíbrio no mundo, na terra, na vida, tudo corre um perigo muito grande, principalmente NÓS, isso mesmo, pois destruímos tudo e todos a nossa volta com pretexto de evolução, extinguimos fauna, flora e em nome do progresso  extirpamos o nosso próprio sustento, abalando assim o equilíbrio provocando até quem sabe a nossa própria extinção . Por isso, pare, pense, e certeza tenha que aos poucos poderemos reverter este quadro, não o de restaurar mais sim o de exterminar, de extinguir e ai sim com outras alternativas poderemos evoluir sem ameaçar a vida seja lá de quem for e nos preocupando com coisas básicas aqui como Educação, Saúde, Segurança e uma que é válida, para onde iremos quando não tiver lugar mais aqui na terra ? Guerra ? Não acredito, sei que não é agora digamos com a evolução uns 500 anos mais "se hoje não pensarmos, o amanhã poderá não existir ."  por isso, pense e procure seu papel fazer, fale quando nada e caso possa, faça . Jesus sempre a sua disposição está, só depende de Você .
JB
Nada pode haver mais mesquinhos e miserável do que o descontentamento.
William Shakespeare
Chicoteando com Carinho
Nunca faça dos espinhos motivos para não doar os outros o seu carinho.
Quando eu era criança me lembro nitidamente das pessoas caçando e matando os ouriços e alegando que esse animal fazia mal ao ser humano. Cresci e hoje entendo que o que faz mal ao ser humano é ser desumano.
Olhando de longe parece fácil ser ouriço caixeiro
Coberto de espinhos tem-se a impressão que assim ele se protege do mundo inteiro
Mas quando ouve o som do latido do cachorro perdigueiro
Ele sente a fragilidade que é da solidão ser prisioneiro
Buscou entre os vãos da bananeira um abrigo
Me sentei no chão de frente à ele mais longe do perigo
Não sei qual de nós dois nessa hora se sente mais sozinho
Se sou eu quando me entrego a poesia
Ou ele que se abraça aos própios espinhos
Me agarro a natureza como alguém em desespero tentando voltar a viver
Enquanto o ouriço só solta seus espinhos na tentativa de  não morrer
É o instinto diante da dor se sobrepondo para se auto proteger
Todavia os espinhos são dolorosos demais
Chegam a ultrapassar a epiderme da moça de Batatais
Mas o veneno se mistura a corrente sanguínea
Como se minha garra de fêmea se misturasse a minha inocência de menina
Vá! Suba para o galho mais alto que puder
Escamam-se as feridas e brota em mim a malícia de mulher
Arranco eu mesma os espinhos do meu coração
Destemida eu estalo sem medo o chicote no chão
Indomável dentro de mim somente a paixão
Nem morna nem quente apenas fervendo
O amor é o antídoto do veneno pelas minhas veias correndo
O ouriço é um animal que por ignorância pode ser extinto
Posso até sofrer mais sempre digo o que eu sinto
Espinhos espalhados pelo caminho é perfeitamente normal
Juntos eles e com isso faço um degrau
Não acredito que felicidade caia do céu
Qualquer infração e será preso para sempre nos braços de Raquel...

Raquel Cinderela as Avessas


Beijões e Abrações .

Nenhum comentário:

PAZ .

PAZ .

Horloge numérique / digitale