domingo, 24 de fevereiro de 2013

A Criança .




Bom Domingo  !!!!!

A Criança .

Feliz !
Estás ?
És ?
Quer ser ?
Viu o que digo constantemente ?
Tens que ter um desejo,
uma vontade,
uma pretensão .
Para que a partir daí lutes ferrenhamente por sua vontade e nunca deixando de respeitar o Direito do outro de ir ao encontro de sua Felicidade e através de seu esforço e suor sem em momento algum agredir o Direito do outro e ser Feliz .
O Circo,
por mais humilde que seja,
e independente por não ser Internacional e dos grandes do mundo faz com que libertes de dentro de Ti o que as vezes a muito tempo esquecido ou até abandonado e aprisionado está .
E Ele,
faz com que a criança dentro de Você atenta fique pois quando adentra,
não sabe mais para onde ir ou ficar,
pois ver tudo quer e saboreando um quitute isso é quando chegando pois o certo é querer todos os que avista e com certeza curtindo os malabaristas,
os domadores e o mágico que curiosa a deixa,
mais o que mexe mesmo com os brios dela é quando aparece o Palhaço,  esse que a todos satisfaz com suas brincadeiras,
tropeços e habilidade em arrancar sorrisos e gargalhadas até de quem não sabe o que isso é,
e é onde confessar tenho,
que não é só Ela,
mais todos,
inclusive Eu,
soltamos todas as agruras e marasmos que nos impediam de reviver a criança dentro de nós,
e vemos no horizonte aquele passado presente através da criança eterna que conosco vive e nos proporciona Felicidade bastando apenas querermos .
Seja Feliz .

JB

Se só os princípios são flores, bem que a vida poderia ser uma eterna primavera.

Elton Benicio


O Dever

O dever é primo do devir.
Aquele primo que há de vir,
Há de vir.

Todos têm um primo assim.
Vem carregado de dor, traz para  dentro
Do nosso mundo, um mundo mais sofredor.

Diante da vida malvada não adianta fazer piada,
fingir que não é nada.
Mandar dizer que não está ali.


A alma do dever vai o sacudir.
E lhe pedir para ajudar o pobre
Primo devir.


Lita Moniz


Beijões e Abrações .

Nenhum comentário:

PAZ .

PAZ .

Horloge numérique / digitale