quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Alerta .


Alerta .

A vida foi feita para ser vivida e é aonde muitos se esquecem
deste pequeno detalhe e cismam em ficar na retaguarda onde
acabam, pode se dizer vegetando, escravo de um sistema repetitivo
onde praticamente não se curte e nem produzem bons momentos.

JB
  
Bom dia !!!!!
Quando os conflitos por todaos os lugares estiverem acontecendo, observe e mesmo que não veja saiba que algo está a acontecer, e com isso vá se prevenindo para uma eventual guinada até em sua vida pois os elementos ai estão se renovando a cada segundo, mais as mudanças bruscas, essas são danosas e tem que serem vistas com mais observação e seriedade para que não nos pegue desprevenidos, e que se por ventura vierem venham mais esperadas estarão sendo e absorvidas e desfeitas assim como até repelidas serão . Saiba que quando apenas queres viver a sua vida sem mais nem menos, na grande maioria acabas sendo mais feliz do que aqueles que agitados são e com visão de grandeza e ganância se preocupam com a vida de tudo e de todos esquecendo-se da sua e com isso acabando de formar uma corrente negativa em seu interior de solidão . Procure soltar-se, viva e seja feliz, deixe o outro em Paz fazendo apenas o que lhe compete, assim iras longe e se vontade tiver, ajude, pois assim teras retorno .

JB


Não existe grandes talentos sem grande vontade.

Honoré de Balzac

MEU VERSO (Divagação) 

Filemon F. Martins 


Meu verso vem do Nordeste,
vem do roçado, vem do Sertão,
vem das veredas lá do agreste,
vem das cacimbas e dos grotões.

Meu verso vem dos garimpos,
das catras dos garimpeiros,
da coragem dos vaqueiros
vestidos no seu gibão,
vem do sereno da noite
do perfume do Sertão.

Meu verso simples, sem medo,
vem do sítio, do rochedo,
vem do povo do Sertão,
que com a luz do arrebol
trabalha de sol a sol
para ganhar o seu pão.


Vem da Serra do Carranca
onde a beleza não manca,
e a onça faz sentinela.
Da Serra da Mangabeira
onde a Lua vem brejeira
tecer a renda mais bela.

Meu verso vem da goiaba,
do puçá e da mangaba,
da seriguela e do mamão.
Da pinha e da acerola,
da atemóia e graviola
plantadas no roçadão.

Nasceu na bela Umbaúba,
Boa Vista, Bela Sombra,
na Lagoa de Prudente,
na Chiquita e no Vanique,
onde há muito xique-xique
e o sol parece mais quente.

Brejões, Lagoa do Barro,
Santo Antonio, Traçadal,
Olho D´Água, Rio Verde,
Baixa dos Marques, Coxim,
Ibipetum, depois Pintada,
onde passa a velha estrada,
Zequinha e Lamarca morreram.

Sodrelândia, Deus me Livre,
Pé de Serra, Poço da Areia,
Riacho das Telhas também.
Poço do Cavalo, Matinha,
Mata do Evaristo e Veríssimo,
Olhodaguinha e Ipupiara.

Meu verso nasceu no mato,
não tem brilho, nem ornato,
vem do Morro do Mocó,
da Serra do Sincorá,
vem do morro do Araçá,
nasceu pobre e vive só...
Beijões e Abrações .

Nenhum comentário:

PAZ .

PAZ .

Horloge numérique / digitale